A gravidez psicológica em cadelas, também conhecida como pseudociese, é algo que ocorre com bastante frequência e pode trazer sérias complicações. Embora seja passageira, ela pode evoluir para doenças mais sérias como por exemplo a piometra, que traz infecções no útero. Assim, a cadela começa a ter comportamentos maternais e suas mamas passam a produzir leite.

Ela acontece devido à alterações hormonais no corpo de cachorrinhas, podendo ser explicada como um engano dentro de seu organismo. Além disso pode deixar marcas severas tanto em aspectos psicológicos como físicos no pet. Por isso, neste post iremos explicar como acontece esse tipo de gestação e daremos dicas para que você possa saber como evitar a gravidez psicológica em cadelas.

Por que acontece a gravidez psicológica em cães?

Durante o cio das cadelas ocorrem diversos tipos de alterações hormonais. Assim, a pseudociese começa a ter seus primeiros indícios entre dois e quatro meses após este período. Ela pode acometer todas as cadelas que ainda não tenham sido castradas, mesmo aquelas que não tenham acasalado ainda. Sem ter uma causa específica definida, faz com que fêmeas desenvolvam o instinto natural de gerar e cuidar de filhotes.

A progesterona é um dos principais hormônios com ligação no desencadeamento de mudanças em fêmeas. Assim, acaba por ser a responsável por manter os sintomas da gestação nos pets. Quando isso acontece, os níveis de estrógeno das fêmeas caem consideravelmente, possibilitando o aparecimento de câncer. Por isso, é tão importante saber como evitar a gravidez psicológica em cadelas.

Sintomas comuns da gravidez psicológica

Os sintomas da gravidez psicológica canina podem ser facilmente confundidos com uma gestação comum. Porém, um conjunto de comportamentos anormais e sintomas clínicos podem determinar a presença desta complicação. Eles podem ser variados e aparecer em diferentes níveis. Entre os mais comuns, destacamos o aumento das glândulas mamárias e a produção de leite.

Além disso, aparecerá um considerável aumento abdominal e a fêmea sentirá dores nas mamas. Os comportamentos aparentes podem surgir na organização de um ninho para receber os filhotes, depois a adoção de um objeto como cria. Por fim, ela também pode desenvolver depressão, uivar incessantemente e apresentar falta de apetite. Ressaltamos, porém, que apenas um médico veterinário especializado poderá constatar os sintomas e encontrar meios de como evitar a gravidez psicológica em cadelas.

gravidez psicologica em cadelas

Saiba como evitar a gravidez psicológica em cadelas

A forma mais eficaz de evitar a gravidez psicológica em cadelas é a castração. Este procedimento cirúrgico impede que elas engravidem, além de reduzir a produção dos hormônios que causam este problema. A castração é indicada tanto para fêmeas que já passaram pela gravidez psicológica, como para aquelas que nunca desenvolveram essa complicação. Esse tipo de procedimento poderá impedir também que elas tenham crias indesejadas.

Os comportamentos atípicos da gestação psicológica tendem a permanecer cerca de duas semanas, desaparecendo de forma natural. Geralmente, ela também não requer medicamentos ou medidas específicas. O procedimento indicado para os tutores de fêmeas é deixá-las o mais à vontade possível, não tentando tirar seus filhotes imaginários ou desfazer ninhos. Além disso, não é recomendável se aproximar demais, já que elas estão em um período agressivo e ansioso.

Em casos mais graves e que trazem riscos para a saúde da fêmea, podem ser receitados remédios para reequilibrar os hormônios. Assim, é possível evitar problemas maiores referentes à inflamação das glândulas mamárias, em função da produção de leite que não terá uso. Porém, lembre-se sempre de consultar um médico veterinário no menor sinal deste tipo de complicação. Apenas ele poderá encontrar métodos adequados para evitar a gravidez psicológica em cadelas.

Para receber mais dicas e novidades sobre o mundo pet, basta continuar acompanhando as postagens no blog da Center Dog!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *