Administrar com frequência o vermífugo para cães e gatos é tão importante quanto a aplicação das vacinas. É ele quem protege seu pet de doenças causadas por vermes, como por exemplo as conhecidas “lombrigas” (vermes intestinais), que podem atrapalhar muito o seu desenvolvimento. Por isso, vermifugar seu animalzinho deve ser um hábito iniciado desde o seu nascimento.

Nesse post iremos esclarecer algumas dúvidas sobre o vermífugo para cães e gatos. De quanto em quanto tempo devo administrar um vermífugo? Qual a dosagem correta? Há diferença se são filhotes ou adultos? Essas e outras perguntas que donos de pets se fazem frequentemente nós iremos responder agora.

Verminoses em cães e gatos

Existem diversos tipos de vermes que podem contaminar seu bichinho e há alguns que são mais suscetíveis a causar infecções do que outros. A seguir, vamos falar um pouco sobre quais são os tipos de vermes mais comuns. 

O Ancylostoma é o verme transmitido através da ingestão de alimentos ou água contaminados, e pode infectar tanto cachorros como gatos. Ele se aloja no intestino do pet,  causando sangramentos e, quando em grandes quantidades no organismo, podem ser notados nas fezes.

O Dipylidium caninum, apesar do nome, contamina tanto cães quanto gatos. Ele se manifesta por meio da ingestão de pulgas, também podendo ser transmitido para os seres humanos. Alguns dos sintomas da presença desse verme são alterações no apetite, diarreia, dores abdominais e indisposição.

Como saber se o pet está com parasitas

Alguns sinais podem ajudar a identificar se o seu pet está contaminado com parasitas. O indício mais comum é a presença de fezes moles ou diarréia, que também pode vir com a presença de alguns vermes. Normalmente nesse estágio a barriga do bichinho também já está bem redonda e endurecida.

Com a manifestação de parasitas, os pets também podem ficar com seus pêlos secos e com queda em abundância, além de vômitos, diarreias e sonolência. Quanto maior for o tempo do verme dentro do organismo, mais intensificados serão os sintomas. Por isso, ao notar qualquer comportamento estranho, é imprescindível levar seu amiguinho ao médico veterinário para dar início ao tratamento.

vermífugo para cães

O uso do vermífugo para cães e gatos

Todos os pets estão sujeitos a entrar em contato com algum tipo de verme, já que eles estão presentes nos mais variados ambientes, desde a água que ele ingere, até o local onde ele se deita. Então, o ato de ministrar vermífugos tem que ser constante e seguir um cronograma pré-determinado pelo veterinário.

Quando ainda filhotes, a primeira dose do vermífugo costuma acontecer entre os 15 e 30 primeiros dias de vida e a segunda aos quatro, cinco e seis meses. O médico veterinário irá definir o protocolo mais adequado de acordo com a origem e histórico do animal. Posterior às primeiras doses, a frequência com que seu pet irá tomar o vermífugo para cães e gatos depende de sua rotina e das recomendações que o médico veterinário que faz o seu acompanhamento irá fornecer. 

Além disso, cães e gatos têm diferentes rotinas e modos de vida, portanto a forma de administrar não será a mesma. O gato, por ser um animal mais autônomo, independente e mais higiênico (lambendo a si mesmo), está mais propenso a contrair vermes, geralmente através de pulgas e em forma de larvas ou ovos.

Frequência do vermífugo para cães e gatos

Jamais administre medicações sem a orientação de um médico veterinário. Somente ele está apto a recomendar o vermífugo para cães e gatos ideal para o caso do seu pet, assim como a dosagem da qual ele necessita. Superdosar o animal, ou administrar o vermífugo fora de época sem necessidade pode causar complicações em sua saúde. Com isso, não deixe de medicar seu pet da forma correta!

Para receber mais dicas e novidades sobre o mundo pet, acompanhe os posts do nosso blog!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *